Author Archive

7_1_L

NEUROYOGA CRIATIVO

NEUROYOGA CRIATIVO

Este novo sistema a que dei o nome de Neuroyoga Criativo, nasce do conhecimento pessoal da eficácia integral, em todos os aspectos e sentidos humanos, da prática do Yoga, de algumas formas de trabalhar a criatividade e activação neuronal, melhorando o funcionamento cerebral, através de exercícios e estratégias, que na área neurocientífica cada vez mais são estudadas e comprovadas e principalmente da vontade de relembrar a importância da intuição e a alegria de viver apesar do que nos é externo e “aparentemente” negativo.

Este sistema tem um objectivo concreto que nos pode levar, duma forma directa, prática e lúdica, a uma transformação individual beneficiando da energia de grupo. São aplicadas “ferramentas” acessíveis a qualquer idade, condição física, credo ou ideologia.

O Neuroyoga Criativo visa capacitar cada um a superar conflitos, desafios, mudança de valores e paradigmas, trabalhar a resiliência e essencialmente proporcionar um “resgate” da inteligência da alma.

Sobre o “resgate” da inteligência da alma este sistema pode funcionar como “um despertador” que leva, de uma forma subtil, a reconhecer quem realmente somos, qual o propósito da vida, nos conecte com a nossa essência e active a “recordação” fundamental da nossa existência.

Quanto à activação neuronal está provado cientificamente que quando trabalhamos simultaneamente mais do que um sistema: auditivo, visual, táctil com actividades lúdicas, de uma forma dinâmica e prazerosa, há alterações na quantidade e qualidade das conexões sinápticas melhorando assim o funcionamento cerebral de forma positiva, permanente e com resultados eficazes e satisfatórios.

Foi criado para o efeito um grupo piloto de trabalho que experienciou, durante um ano em sessões semanais de duas horas, o programa estabelecido de acordo com os objectivos. Em cada sessão o tempo foi dividido em duas partes com um pequeno intervalo, entre as duas, para um chá de ervas para descontrair, hidratar e facilitar a segunda parte da sessão.

A primeira parte cumprindo o que habitualmente faz parte de uma aula de yoga, incluindo relaxamentopranayamasasanas e que finaliza com duas posturas dinâmicas e um exercício neuronal.

A segunda parte varia entre a construção falada e repentista de uma estória ou de mandalas.

estória obedece a diferentes regras consoante o grau de dificuldade que o líder determinar e que deve ser fantástica, no sentido de integrar situações não habituais na nossa realidade do dia a dia, deve ter um fio condutor coerente e uma mensagem final.

Para a construção de mandalas são utilizados objectos coloridos elementos da natureza (flores, folhas, animais, conchas, frutos).

A sessão termina com relaxamento, de preferência com som de taças tibetanas e o canto de mantras sempre juntando mudras ou gestos coordenados com o ritmo do mantra.

Há também a obrigatoriedade de cada elemento levar uma mandala para pintar em casa, entre uma sessão e outra, que ajuda a aferir alguns aspectos da progressão de cada um face aos objectivos pretendidos.

Para além do cumprimento dos pressupostos o crescimento pessoal e a energia de grupo vivenciada durante o tempo continuado das sessões revelou-se de grande importância no meio em que cada elemento se insere na vida profissional, familiar e social assim como ao nível da independência, autonomia, superação e descoberta de qualidades e dons adormecidos.

Prof. Yoga Anabela Val-Flores

 

imagesJGMKQJER

Síndrome da Sensibilidade Química Múltipla

A sensibilidade química múltipla (SQM), também chamada de intolerância química, doença ambiental e hipersensibilidade química, é um tipo raro de alergia que manifesta-se gerando sintomas como irritação nos olhos, coriza, dificuldade respiratória e dor de cabeça, quando o indivíduo fica exposto a diversas substâncias químicas comuns do dia a dia como uma roupa nova, sensibilidade ao cheiro do shampoo ou de outros produtos cosméticos, poluição dos carros, álcool e etc. Sendo a sua principal causa a poluição interna dos edifícios.

Esta sensibilidade é agravada devido a presença constante de substâncias químicas presentes no ar vindas das tintas das paredes, móveis, produtos de limpeza utilizados e máquinas de escritórios, por exemplo, que ao entrar em contato com a luz e a umidade favorecem a proliferação dos microorganismos. Assim o sistema imune do indivíduo está sempre “alerta” e sempre que ele é exposto a outro tipo de substância química gera uma reação alérgica crônica, que muitas vezes impede o trabalho.

Sintomas da sensibilidade química múltipla

Os sintomas da sensibilidade química múltipla podem ser leves ou incapacitantes, eles incluem enjôo, dor de cabeça, coriza, olhos vermelhos, dor no couro cabeludo, dor de ouvido, sonolência, palpitações, diarreia, cólicas abdominal e dor nas articulações. Nem todos precisam estar presentes para o diagnóstico da doença.

Como identificar a sensibilidade química múltipla

Para identificar a sensibilidade química múltipla recomenda-se o exame de sangue, testes de alergia, perfil imunológico e entrevista. Saber em que o paciente trabalha, como é o  edifício e como é a sua casa é muito importante para ajudar a diagnosticar a doença.

Como tratar a sensibilidade química múltipla

Para tratar a sensibilidade química múltipla não basta somente a toma de anti histamínicos, antidepressivos e psicoterapia, é necessário remover a sua causa, mantendo os locais que frequenta sempre muito limpos e arejados, pois assim as chances de concentração de microorganismos é menor.

Uma vez que passamos em média 8 horas por noite trancados num quarto, convém que este tenha o ar mais puro possível da casa, tendo boa ventilação e um número reduzido de carpetes, cortinas e cobertores.

O uso de um purificador de ar dentro do quarto é também uma das maneiras de facilitar o trabalho do fígado, de filtrar todas as toxinas do organismo, diminuindo o risco de alergias respiratórias e as crises de sensibilidade química múltipla.

Quando o causador do problema está no ambiente de trabalho, faz-se necessário a limpeza do mesmo. Adotar um desumidificador e purificador de ar dentro da própria sala de trabalho é uma das formas de diminuir o risco da reação alérgica.

Nos casos mais graves da doença, pode ser preciso o isolamento do paciente, o que implica em grande transtorno psicológico.

Referência Bibliográfica

DAS-MUNSHI J; RUBIN GJ; WESSELY S. Multiple chemical sensitivies: a systematic review of provocxatrion studies. Acesso em Nov. 2011.

VACINAS

O que há nas vacinas?

Alguma vez nos perguntámos o que há nas vacinas? Segundo a página de aditivos nas vacinas dos Centros de Controlo das Doenças, E.U.A, existem substâncias integradas nas vacinas que habitualmente a população mundial está a receber e denominadas “aditivos das vacinas”. São eles:

Alumínio – Sob a forma de gel, ou de sais de alumínio, que são adicionados como adjuvantes para auxiliar a vacina a estimular uma melhor resposta orgânica. Os adjuvantes ajudam a causar uma resposta imunitária à vacina mais rápida, mais potente e mais persistente. Estamos a falar de um metal pesado que é causa de demências, nomeadamente Doença de Alzheimer. Nunca nos devemos injectar com alumínio!

Antibióticos – São adicionados a algumas vacinas para prevenir o crescimento de bactérias durante a produção e armazenamento da vacina. Nenhuma vacina produzida nos E.U.A. contém penicilina. Químicos que promovem “super-estirpes bacterianas” que são mortais por se tornarem resistentes a todos os antibióticos conhecidos e que nos E.U.A. matam milhares de cidadãos americanos.   Proteína do ovo- Encontra-se nas vacinas da lnfkuenza e da Febre Amarela, que são preparadas utilizando ovos de galinha. Normalmente as pessoas que comem ovos, ou derivados do ovo, podem receber este tipo de vacina em segurança. Muita atenção às alergias alimentares ao ovo que são contra-indicação para este tipo de vacinas.

Formaldeído – É utilizado para inactivar produtos bacterianos para vacinas toxoides (são vacinas que utilizam uma toxina bacteriana inactiva para produzir imunidade). Também é utilizado para destruir viroses e bactérias que podem contaminar a vacina durante a sua produção. A maioria do formaldeído é removido da vacina antes da sua embalagem final. Um químico que é utilizado para preservar cadáveres. E altamente tóxico para o sistema nervoso, causando cegueira, destruição cerebral e convulsões. O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos E.U.A. abertamente admite que ” .. .formaldehyde causes eaneer.” Podemos verificar esta afirmação no site “National Toxicology Program”, no Relatório nº12 sobre Carcinogénicos. Este documento refere-se ao formaldeído na “folha de factos” sem referir o uso deste químico nas vacinas. Isto é um “pequeno segredo” governamental da indústria das vacinas. Contudo estabelece que “formaldehyde causes myeloid leukemia, and rare cancers including sinosal and nasopharyngeal cancer”.

Glutamato monossódico (MSG) e o 2- fenoxi-etanol – São utilizados como estabilizadores We look forward to a productive 2014-15 year!The district has much to be accomplished as we strive to achieve the recently established district goals. numa série de vacinas para auxiliar a manter a vacina sem se degradar quando a esta fica sob a acção do calor, luz, acidez ou humidade. Referimo-nos a um químico neurotóxico conhecido como “excitotoxin”. Causa uma excitação dos neurónios até ao ponto em que morrem. MSG é neurotóxico mesmo quando consumido em alimentos causando enxaquecas e destruição do sistema endócrino. Nunca devemos permitir injectar MSG no nosso organismo!. .. Isto é o que fazem os trabalhadores da saúde quando nos injectam vacinas!

Timerosal – É um conservante mercurial que é adicionado às ampolas da vacina que contém mais do que uma dose capaz de prevenir o crescimento de bacterias potencialmente perigosas e que são contaminantes interiores das ampolas. É um composto metil mercúrio que causa grave e permanente destruição do sistema nervoso. O mercúrio é altamente tóxico para o cérebro. Nunca devemos tocar, engolir ou injectar mercúrio em qualquer que seja a dose, mesmo mínima! Não existe dose segura de mercúrio!. .. Os médicos e os apoiantes das vacinas junto de nós mentem dizendo que não existe mercúrio nas vacinas. Até o C.D.C. admite que as vacinas continuam a conter mercúrio!… o “Natíonal Toxicology Programs”, dos E.U.A. admite em documentos por si emanados que:

• Vacinas:” … podem causar pequenos, mas mesuráveis, aumentos no sangue do nível de mercúrio. ”
• Timerosal:” O timerosal atravessa a barreira hemato-encefálica e a barreira placentária. ” • Toxicidade cerebral e renal: ” … a toxicidade de timerosal inclui neurotoxicidade e nefrotoxicidade. “.
• Perfis toxicológicos: ” … o perfil toxicológico semelhante entre etilmercúrio e metilmercúrio avança com a possibiliadde de que a neurotoxicidade pode ocorrer em baixas doses de timerosal. “.
• Segurança: ” … não existem normas para uma exposição segura ao etilmercúrio, o metabolito do timerosal. “.
• Agência de Protecção do Ambiente: ” … o determinado é que o timerosal, como conservante, em vacinas pode resultar numa toma de mercúrio durante os primeiros seis meses de vida que excede as normas e recomendações da Agência de Protecção do Ambiente (EPA).
• ” … Nos E.U.A., o timerosal está ainda presente como conservante em algumas vacinas administradas a crianças, bem como em certos produtos biológicos recomendados durante a gravidez. O timerosal mantém-se como conservante em algumas vacinas administradas a adolescentes e adultos. Ainda, o timerosal continua a ser usado internacionalmente como um conservante de vacinas. Este relatório afirma que segundo estudos da Food and Drug Administration (FDA) revelam que o timerosal e outros são perfeitamente seguros e que os fabricantes de vacinas estão a “trabalhar” para retirar o timerosal das vacinas, mas na realidade esta conservante continua a estar presente nas vacinas…

Este relatório revela ainda que a FDA exige conservantes, como o timerosal, só nas chamadas vacinas “multi-dose”, ou seja frascos que contenham mais que uma dose de vacina. As companhias farmacêuticas podem, caso pretendam, produzir vacinas em “dose-única” limpas, sem mercúrio I timerosal. Contudo, preferem estas companhias, produzir vacinas “multi-doses” porque é mais rentável financeiramente produzir vacinas “multi-doses” contendo conservantes. Como o próprio relatório admite, ” … os conservantes não são necessários para os produtos formulados em ampolas de “dose-única”. As vacinas em fracos “multi-dose” são preferidos por alguns médicos e clínicas de saúde porque são mais baratos por dose de vacina e requerem menos espaço de armazenamento.” Bem após estes pequenos dados resumidos, acho que os pais devem devem consultar os pediatras e informarem-se muito bem antes de vacinarem os filhos e preferirem vacinas em ampolas individuais … sem conservantes!

Pela vossa saúde, Prof.  J. Cunha

1- Risk of narcoplesia in children and young people receiving AS03. B.M.J., 2013; 346: t794
2- Guillán.Barré Syndrome after Influenza Vaccination in adults. Juurlink, David N. et alI. Arch. Intern. Med., 2006; 166: 2217-2221.
3- Décompte effectué par Sanevax.
http://sanevax.org/breaking-news-gardasil-fingerprints-found-in-post-mortem-samples
4- http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22249285
5- http://www.quechoisir.org
6- http://www.gardasilandunexplaineddeaths.com/

 

 

FITOTERAPIA_1

Fitoterapia Chlorella

A Chlorella é um poderoso desintoxicante de todo organismo que literalmente se liga a toxinas como uma esponja para limpar o trato digestivo. Ela promove a desintoxicação orgânica, inclusive de metais pesados como chumbo e cádmio.

Nos experimentos de laboratório, foi descoberto que a parede celular da chlorella tem excepcional capacidade de se unir às toxinas e carregá-las para fora do organismo. Chlorella tem sido usada para remover do organismo inseticidas e pesticidas tóxicos, além de ter a capacidade de remover cádmio, chumbo e também outros metais pesados.

As microfibras, presentes nas proteínas da Chlorella, formam uma rede muito fina que captura os metais pesados depositados continuamente nos tecidos adiposos de nossos órgãos.
As fibras dietéticas oriundas da parede celular dessas algas, não sendo digeridas, formam resíduos que aumentam o volume das fezes e estimulam os movimentos intestinais, diminuindo o tempo de trânsito do bolo fecal ao longo do tubo digestivo e consequentemente, propiciando a regulação do hábito intestinal.

Outra propriedade dessas fibras dietéticas é a capacidade de absorver substâncias nocivas, como metais pesados e várias toxinas presentes nos alimentos e nos intestinos, sintetizadas pelas bactérias intestinais. Impedindo o acúmulo de substâncias nocivas e diminuindo o tempo de contato das mesmas com as paredes intestinais, desta forma diminui a absorção e o risco do surgimento do Câncer Intestinal.

Toxinas como os metais pesados e os pesticidas muitas vezes sobrecarregam o fígado. Muitas pesquisas demonstram que a chlorella liga-se aos metais pesados, como o cádmio e o chumbo e mesmo metais radioativos como o urânio, e transporta-os eficazmente para fora do corpo. A chlorella parece ter a capacidade de eliminar componentes tóxicos como pesticidas e os químicos presentes nos alimentos que nos chegam ao nosso prato diariamente (mesmo sem suspeitarmos disso..), sem qualquer dano para o nosso corpo.
Com a normalização do hábito intestinal, juntamente com o aumento de excreção de gorduras, há uma diminuição dos níveis de colesterol sanguíneo, contribuindo na prevenção de distúrbios circulatórios ou doenças degenerativas dos vasos sanguíneos.
Estes processos atuando em conjunto, também contribuem para a depuração dos líquidos orgânicos, favorecendo a manutenção do pH e amenizando as consequências dos estados de acidificação do sangue.
Remove substâncias tóxicas do organismo como pesticidas pesados, cádmio, chumbo, mercúrio e urânio. Estudos de diversas universidades dos EUA e Japão constataram que a chlorella se une ao corpo estranho e força sua saída do organismo.

Como relara a Dra. Susan Jones/PhD U.C.L.A.,EUAA: “a principal razão de meu entusiasmo pela Chlorella é seu benefício de construir a saúde e a eliminação de toxinas do organismo sem efeitos colaterais indesejáveis”.
Como uma das maiores fontes naturais de beta-caroteno que existem (100 mg de beta-caroteno em cada 100g), a chlorella atua no fortalecimento do sistema imunológico e protege a pele contra a ação da radiação solar, além de ter o poder de reduzir os efeitos do envelhecimento precoce e agir na pele, em função da sua capacidade de lutar contra os radicais-livres no corpo. “A chlorella auxilia muito na desintoxicação do organismo. Por ser rica em compostos antioxidantes, combate a ação dos radicais-livres e ajuda a eliminar substâncias tóxicas. Além do beta-caroteno, também é rica em clorofila que seqüestra várias toxinas para eliminação e oxigena bastante as células. Por último, a chlorella também contém o germaio, que seqüestra metais pesados para serem eliminados”, garante a nutricionista clínica e fitoterapeuta, Vanderli Marchiori.
Conforme pesquisas científicas realizadas na Universidade de São Paulo (USP) a Chlorella tomada adequadamente por um mês é capaz de remover até partículas radioativas, por exemplo, comum em tratamentos com radioterapia ou para pessoas que vivem expostas a radiação.

nutrição

A importância da Nutrição

A importância da boa nutrição não é nova. Quatrocentos anos antes de Cristo Hipócrates disse: “Deixe o seu  alimento seja o seu rémedio e o remédio seja o seu alimento”.

Hoje em dia a boa nutrição é mais importante que nunca. Pelo menos 4 das 10 causas de morte mais comuns nos Estados Unidos – doença cardíaca, câncer, diabete e acidentes vasculares cerebrais – estão diretamente relacionados ao que comemos. Enquanto a dieta errada pode ser mortal, alimentar-se corretamente é um dos pilares da boa saúde. É claro que a boa alimentação apenas não é a chave para uma vida longa e saudável, devendo fazer parte de um estilo de vida saudável de forma global, que também inclui exercícios regulares, não fumar, evitar o uso excessivo de bebidas alcoólicas, administrar o stress, limitar a exposição a ambientes danosos à saúde, entre outros fatores.

E, não há dúvida de que mesmo que você se alimente muito bem, seus genes tem uma grande participação no seu risco a desenvolver alguns problemas de saúde, mas não subestime a influência de como e o que você come. Por exemplo, a aterosclerose, “endurecimento” das artérias, pode começar precocemente na infância, mas o processo pode ser interrompido e mesmo revertido, se forem feitas mudanças saudáveis na dieta e no estilo de vida. A perda gradual de tecido ósseo que resulta na osteoporose pode ser prevenida se for suficiente o consumo de cálcio e de outras fontes durante a vida e com exercícios leves.

Podemos ser geneticamente predispostos á diabetes mas se mantivermos Half of the capacity is used to store your and half is used for a duplicate copy. um peso adequado, uma dieta saudável e exercícios físicos regulares, pode ser que a doença nunca nos incomode. Os pilares da boa nutrição são equilíbrio, variedade e moderação. Alimentos gordurosas são contra-balançados por alimentos magros, e a ingestão de calorias é compensada por exercícios físicos para manter um peso ideal. Para manter a saúde nosso corpo precisa de um equilíbrio exato entre carboidrato, gordura e proteína, os três principais componentes da nutrição.

TODOS OS DIAS DEVEMOS CONSUMIR: 15 a 20% das calorias totais das proteínas. 15 a 30% das calorias totais das gorduras. 50 a 65% das calorias totais dos carboidratos.

Também precisamos de vitaminas, minerais, oligoelementos e de outros nutrientes de muitos alimentos diferentes, e enquanto alguns alimentos são melhores que outros, os alimentos individualmente ou grupo de alimentos não dispõe de todos estes nutrientes dos quais necessitamos, então comer uma grande variedade de alimentos é essencial. Moderação significa não comer de menos e nem de mais qualquer que seja o nutriente.

Comer demais pode levar a obesidade, mesmo que seja muito de apenas um determinado nutriente, e comer pouco pode levar a deficiências nutricionais e à perda de massa corporal.

Continuação.